Escola

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O NOSSO SITE OFICIAL

Endereço e contatos:

UNIDADE I - Rua. Tab. Eurydice de Barros Esteves, 156, Mangabeira I, João Pessoa, Paraíba 58055-450, Brasil

Contatos:
Oi (83)98740-2530
Tim (83)99966-6875

Sobre o fundador... Visite as redes sociais do Prof. Elvis Chaves...

E-mail: profelvischaves@yahoo.com.br
Blog
Site oficial
Facebook
Google+

YouTube

Use o GPS:


FAÇA SUA BUSCA NO BLOG AQUI

quinta-feira, 14 de junho de 2018

Divertissement.






terça-feira, 12 de junho de 2018

Melhorando a performance de uma música sem estudar.


Permita-me explicar o título um pouco bizarro: 

Alguns problemas não são resolvidos com a fórmula "pratique, pratique, pratique...", mas sim com a "pratique, durma, problema resolvido!...

"Foi isso que chamei de "Dormir no Problema". Por exemplo: em alguma música é necessário tocar uma variação entre os dedos 4 e 5. Uma verdadeira tortura! O sujeito fica alguns minutos tentando, mas não sai nada direito. Mas, no próximo dia, depois de descansar e passar um tempo, a execução está bem melhor. Parece que a coisa se resolveu justamente fora do momento de estudo. 

Não é sobre esse fenômeno que quero comentar, embora seja algo parecido ou até relacionado. Vamos imaginar uma estorinha: 

Suponhamos que você vai estudar alguma partitura qualquer. Suponhamos que seja aquele chorinho em tom menor. Então você se dedica em entender a melodia, em compreender a traquinagem rítmica que essa peça apresenta e em domar as mãos pra pegar bem as mudanças de posição. Certo! 

Como você sabe estudar, a coisa avança bem. Suponhamos ainda que em 10 dias essa partitura, que não pode ser considerada simples, está bem tocada. Depois de duas ou três semanas estudando outra coisa, você volta para esse mesmo chorinho, dá uma relembrada nas notas e uma coisa incrível acontece: 

Você toca com MAIS fluência e MAIS controle do que antes. 

Já travei contato com 1.596 explicações diferentes pra esse fenômeno. Mas o porquê não me interessa. Interessa é que o fenômeno acontece e DEVE ser aproveitado pelo aluno. 

Nessa estória imaginada tudo foi, digamos, imaginado: o chorinho escolhido, os problemas que foram estudados, o tempo pra conseguir tocar a partitura satisfatoriamente, o tempo que se passou pra voltar a tocar a mesma partitura. Mas uma coisa NÃO foi imaginada e trata-se do cenário geral. 


Pra esse fenômeno acontecer foi preciso que: 

O estudante soubesse estudar (como encarar as dificuldades). 
Mantivesse a continuidade dos estudos no tempo (sem grandes intervalos entres os dias). 
Não deixasse transcorrer muito tempo depois do primeiro estudo. 

Esta é a conclusão bizarra: 

Quando estuda direito, o estudante se desenvolve até quando não estuda. Por isso é imprescindível que os alunos de música mantenham a continuidade de seus estudos. Senão a bola de neve do aprendizado não acontece. 

E como aprender a estudar?

Pare de perder tempo, estude com quem realmente sabe e tem experiência no assunto...



Adaptação: Prof. Elvis Chaves
Texto Original: Felipe Scagliusi

quinta-feira, 31 de maio de 2018

Valsinha.






Loading...