Escola

CLIQUE AQUI PARA VISITAR O NOSSO SITE OFICIAL

Endereço e contatos:

UNIDADE I - Rua. Tab. Eurydice de Barros Esteves, 156, Mangabeira I, João Pessoa, Paraíba 58055-450, Brasil

Contatos:
Oi (83)98740-2530 (WhatsApp)
Tim (83)99966-6875
Claro (83)99102-3221
Vivo (83)98101-7208

Sobre o fundador... Visite as redes sociais do Prof. Elvis Chaves...

E-mail: profelvischaves@yahoo.com.br
Blog
Site oficial
Facebook
Google+

YouTube

Use o GPS:


FAÇA SUA BUSCA NO BLOG AQUI

domingo, 15 de janeiro de 2017

Escala Pentatônica.

História

Afirma-se que surgiu na China, por algum músico que reuniu as divisões melódicas propostas por Pitágoras, que descobriu que, se uma corda gerava uma nota "x" e fosse dividida ao meio, geraria a mesma nota porém uma oitava acima, ou dividida em 3 gerando outro intervalo harmônico e assim sucessivamente[1]. Foi o início da harmonia na música.
A escala pentatônica organizada com as divisões em três propostas por Pitágoras, era gerada em seis intervalos distintos: si, dó, ré, mi, sol, lá. A proximidade da nota si para a nota dó era muita e, quando tocadas juntas, geravam uma "dissonância". Por essa razão foi retirada a nota si desta escala, sendo formada a escala de 5 tons.
A Escala Pentatônica é a escala guru dos improvisadores. E não é difícil de descobrir o motivo pelo qual todo mundo usa e abusa dessa escala: ela é fácil de fazer e fácil de aplicar. Há umas décadas atrás, alguns músicos faturaram milhões apenas tocando essa escala. Hoje não é mais tão fácil de se ficar rico tocando escala pentatônica, afinal qualquer músico iniciante já aprende a utilizar essa escala (e geralmente passa o resto da vida fazendo só isso).

O conceito é muito simples: a escala pentatônica maior é um apanhado de notas da escala maior. Sabemos que a escala maior possui 7 notas. A escala pentatônica escolheu 5 dessas notas e criou uma outra escala. Quando a escala maior deixa de ter 7 notas e passa a ter 5, recebe o nome de Penta.

A Escala Pentatônica Maior é uma escala que pode enganar pela simplicidade dando a impressão que seu uso possa tornar arranjo do pianista pouco sofisticado. Ledo engano. Bem, ela é sim uma escala simples, mas se bem utilizada, pode trazer efeitos interessantes. Por essa razão, ela é usada largamente em vários estilos musicais, incluindo Rock, Jazz, Blues entre outros.

O termo “pentatônica” aponta para as 5 notas que a escala possui, diferente da escala “heptatônica” (7 notas), como são as escalas maiores e menores, por exemplo. Então, se você for construir a Escala Pentatônica no piano terá apenas 5 notas. Uma coisa interessante é que essas notas são tão bem encaixadas que é praticamente impossível você “errar” na hora de improvisar. É isso mesmo que você ouviu.

Imagine que você está tocando uma música qualquer, com uma simples progressão de acordes, como C – F – Am – G. Se você executar (de forma ascendente ou descendente) a Escala Pentatônica de Dó nessa sequência de acordes, todas as notas “encaixarão” tranquilamente. Talvez seja por isso que a Pentatônica seja uma escala amada pelos músicos improvisadores.

Mesmo se você é um músico iniciante terá facilidade para aprender essa escala e provalvente o som dela já familiar para você. Acredite, seus ouvidos não levarão um choque quando você ouvir a Escala Pentatônica, o que não ocorre com outras escalas musicais mais complexas. Faça o teste. Vá ao teclado e toque as 5 notas da escala e você terá a impressão que já ouviu isso em algum lugar. E provavelmente você já ouviu!

A escala pentatônica possui notas que quando tocadas geram uma melodia agradável, mesmo que seja só a própria execução da escala para cima e para baixo. Isso facilita a vida de todo mundo! Basta decorar a escala pentatônica e, quando você for improvisar uma música na tonalidade maior, em vez de "elaborar" uma frase com a escala maior você toca a escala penta-tônica que já é sucesso garantido! A escala pentatônica tocada de trás para frente é legal, de fren-te pra trás também é legal, do meio para fim, do fim para o início, do início para o meio, legal, legal, legal.

Muito bem, se você nunca ouviu a escala pentatônica na vida, vá até um teclado ou piano e toque as teclas pretas uma após a outra. Esse é o som de uma escala pentatônica. Existem muitos desenhos para escalas pentatônicas; esse exemplo das teclas pretas foi apenas um que facilita a observação por ser bem prático. Se você não tem um teclado, não se desespere, já iremos expli-car detalhadamente como se forma essa escala. 

A Escala Pentatônica pode ser Maior ou Menor. A pentatônica maior contém 5 notas da escala maior, e a pentatônica menor contém 5 notas da escala menor. Um desenho para a penta-tônica de Dó maior pode ser: Dó Ré Mi Sol Lá .

A escala pentatônica maior, mais usada, é aquela derivada da escala maior (ou jônica) quando tiramos o 4º e o 7º grau.

Veja agora um desenho para a escala de Lá menor pentatônica: Lá Dó Ré Mi Sol.

O mesmo raciocínio feito para a construção da escala pentatônica maior pode ser feito pa-ra construir a pentatônica menor que é baseada na escala menor natural, porém sem o 2º e o 6º grau.

Denominam-se escalas pentatônicas, em música, ao conjunto de todas as escalas formadas por cinco notas ou tons. As mais usadas são as pentatônicas maiores e as menores, que podem ser ouvidas em estilos musicais como o blues, o rock e a música popular. Muitos músicos denominam-na simplesmente de penta.

Outras Escalas Pentatônicas

Como já foi dito, podemos montar escalas pentatônicas bastando, para isto, pegar 5 notas distintas quaisquer.

Pentas maiores:

Dó Ré Mi Sol Lá: penta maior com sonoridade próxima da escala maior natural (Penta maior tradicional).

Dó Ré Mi Sol Sib: penta maior com sonoridade próxima da escala mixolídia;
Dó Ré Mi Solb Lá: penta maior com sonoridade jazz ou lídio.

Pentas menores:

Dó Mib Fá Sol Sib: penta menor com sonoridade próxima da escala menor de blues;
Dó Mib Fá Láb Sib: penta menor com sonoridade próxima da escala frígia;
Dó Réb Fá Sol Sib: penta menor com sonoridade japonesa;
Dó Mib Fá Sol Lá: penta menor com sonoridade jazz;
Dó Mib Fá Lá Sib: penta menor com sonoridade alterada.

Aplicando a Escala Pentatônica
  • As escalas pentatônicas maiores e menores são as escalas mais estáveis pois não possuem intervalos de semitom e por isso são facilmente reproduzidas vocalmente, podendo ser cantadas
  • As escalas pentatônicas são mais ambíguas do que as escalas diatônicas de 7 notas e por isso são boas opções para o improviso,assim para um mesmo acorde podemos escolher várias pentas que soarão bem com ele…
  • Invertendo as notas desta mesma escala pentatônica maior temos outras quatro escalas pentatônicas. Assim a escala penta maior de C começada na nota A formará a escala penta menor de A.
Na guitarra ou violão podemos memorizar facilmente os 5 padrões ou shapes formados por cada inversão da escala pentatônica e usá-los para o improviso
No blues é comum usarmos a pentatônica menor para improvisar sobre um acorde dominante maior. Por exemplo, podemos improvisar com a penta menor de Lá (A) no acorde A7 (lá maior dominante).


Diferentemente de outras escalas, hoje não passaremos muito trabalho para descobrir quando executar a escala pentatônica maior. Quando estamos aprendendo escalas musicais (Escala de Blues, por exemplo) mais complexas é comum nos depararmos com várias regrinhas de uso para não cometermos nenhum deslize tocando notas erradas na hora.

Essa é a boa notícia de hoje: você pode executar a Escala Pentatônica sem medo sobre vários acordes. Como primeiro exemplo, cito o acorde maior. Imagine que você tem o acorde de C (Dó Maior) em uma música, você pode usar a Escala Pentatônica de Dó nele. Isso vale o mesmo acorde contendo extensões (7,9,11,13).

Você poderia usar a escala sobre o acorde relativo de C, que seria o Am (Lá menor). Então, se houvesse uma progressão de acordes contendo C e Am, você usaria a Escala Pentatônica de Dó tranquilamente.

E não só isso…

Você também pode usar a Escala Pentatônica sobre os acordes de uma tonalidade maior. Vamos pegar os acordes do Campo Harmônico de C. São eles:

C – Dm – Em – F – G – Am – Bdim

Você poderia executar a escala sobre esses acordes, caso eles aparecessem na música. Ou seja, praticamente onde poderia ser executado uma escala maior, você poderia executar a Escala Pentatônica. O mesmo vale para as escalas menores.

Em qual acordes usar?

É possível usar a Escala Pentatônica com alguns acordes específicos. Anote aí:

C - C6 - C7 e acordes maiores com mais extensões…

Veja como vai ficar tocando os acordes C,C6, C7 com a mão esquerda (acorde cheio) e a Escala Pentatônica na mão direita.

Essa escala musical é amplamente usada, isso por vários motivos, sendo que o principal deles é a facilidade da aplicação, que une sonoridade à simplicidade. Ela pode ser uma aliada poderosa para o músico. Como recomendação, exercite a Escala Pentatônica em todas as tonalidades. Esse é o primeiro passo. Depois disso, procure aplicar essas escalas nos acordes maiores das músicas que você já conhece e já toca. Ou seja, aplique a escala no seu repertório. Dessa forma, você estará “fixando” bem as Escalas Pentatônicas na sua mente e principalmente nos seus dedos.

Fontes:
https://aprendapiano.com/escala-pentatonica/
http://immusicstation.blogspot.com.br/p/blues-e-pentatonicas.html
https://www.jazzbossa.com/sabatella/05.05.escalaspentatonicas.html
http://www.descomplicandoamusica.com/escala-pentatonica/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Loading...